segunda-feira, 23 de junho de 2008

Era uma vez solidão.


Era uma vez...

Uma rua escura, com uma casa velha

e uma chuva no telhado...

um vento espalhando a chuva

um céu preto de noite sem estrelas

uma lua de brilho apagado.


Dentro da velha casa uma mulher,

dentro dela solidão.

um abajur aceso, um livro nas mãos.


a chuva aumentou, e o barulho no telhado tbm,

os ventos ficaram fortes

juntamente com a saudade de alguém...


choveu...

ventou...

a lua quase apagou...

o abajur clareou...

o livro que se fechou...

ela dormiu, ela sonhou...


a chuva com o vento se foi.

a velha casa com o sol secou.

o abajur permaneceu aceso.

o livro não contou o fim da história.

a rua deixou de ser escura.

e a mulher?


A mulher mais um dia abriu seus olhos.

agradeceu por sua vida.

olhou no espelho seu tempo que passou.

lavou no chuveiro a solidão de mais uma noite.

penteou pensamentos de esperança.

se vestiu pra não ser notada.

e seguiu para o trabalho...

seguiu para mais um dia

a procura de um amor...

2 comentários:

paula barros disse...

As vezes estamos só e não sentimos solidão. No entanto quando esse sentimento solidão, decidi gritar pedindo alguém, é inquietante. Então desejo que essa mulher encontre o amor, não um amor qualquer.

mauricio disse...

desejo muito que esta mulher encontre o amor e seja muito feliz