segunda-feira, 7 de julho de 2008

Sem tempo.



Queria tanto ter um baú.

um baú daqueles do tempo da minha vó.

cor de vinho, com um grande cadeado.

por dentro forrado de tecido vermelho, aveludado.

grande e bem espaçoso.

e dentro dele

eu guardaria coisas muito especiais.

guardaria aquela nuvem em formato de coelho

que vimos naquela tarde de verão,sobre a grama.

guardaria a imensidão de girassóis que vimos

na estrada durante aquela viagem.

guardaria o balanço da gangorra

que sentamos aquela noite no parque.

guardaria as garrafas que bebemos na noite

de natal, em que passamos a sos.

guardaria o cheiro de suor da sua pele depois

de longos minutos de amor ardente.
guardaria o som da sua voz me chamando de

princesa a cada vez que atendia o telefone.

guardaria todos estes perfeitos momentos, pra

evitar que tudo se perdesse, assim

como se perdeu.

hj, eu poderia abrir meu baú e mostrar

pra vc que um dia

já fomos felizes.

14 comentários:

Anja Rakas disse...

Lindo. Simplesmente adorável.
Eu tenho um baú assim, mas não é tão lindo como da tua avó.
Meu baú se chama Alma.
Abro-o de quando em vez para me mostrar a mim mesma o quanto já fui feliz. No meu baú está tudo, até o que virá a ser.

E já dizia o poeta "que os sonhos não envelhecem..."
Sonha com felicidade mas não a tranques no Baú...faz dele a tua felicidade.

Bjs angelicais

Ravnos_Blacklotus disse...

Cuidado bela jovem, guarde somente o que realmente tiver valor, pois as vezes guardamos coisas indevidas e quando nos damos conta, tomam espaço demais, ou supervalorizamos e quando nos damos conta, não conseguimos mais tira-las de la. Consequentemente, não sobra espaço para outras coisas...

Um beijo e uma @},-----

Carlos disse...

ainda nos resta esse baú...
na esperança de um novo sentir...

Bonito

:)

O Profeta disse...

A ternura no fundo de um baú...


Doce beijo

Layla Lauar disse...

Nossa viajei neste teu texto..muito lindo mesmo..sabe eu tenho um baú assim..mas de lembranças nem todas boas, mas que me deixaram tantas marcas...a ultima vez que o abri, me perdi no meio delas e custei a me encontrar novamente...

Mas o meu baú tem mais pedras do que veludo vermelho, algumas dessas pedras já transformei em plumas... outras continuam pedras.

Um beijo querida e parabéns por este belo texto!

Marcos disse...

Ei Nanda, passei para retribuir sua visita. Que bom que vc gostou do http://diversaosadia.blogspot.com/. Volte sempre e deixe seus coments lá.
A casa é sua.

Deus lhe abençoe e te guarde hoje e sempre.

paula barros disse...

Adoro baús. Escrevi algo, buscando na infância, mas ainda não postei.
Tem gente Nanda nem que o baú estivesse cheios de coisas boas não quer ver.
Abraços

DelfimPeixoto disse...

Se quiser visitar-me terá um Baú cheiinho para você. Não tem tesouros... apenas folhas e letras.

João Videira Santos disse...

todos temos um baú, nem que seja na memória...é aí que guardamos as lembranças, as recordações.
(a propósito de ser de Araxá...Conheço. Que saudades...Se Dona Beija, "estiver" por aí, dê-lhe saudades minhas)

mariam disse...

pois... o meu "baú" é mais em formato de cómoda, com gavetas...
esses seus momentos menos bons empurre-os para o fundo do baú e coloque-lhes uma pedra em cima-...

bom resto de semana
um sorriso :)

Lampejos disse...

Nanda,

Eu também queria ter um baú desses, mas com o céu de promessas,horizontes e destinos.

(a)braços,flores.girassóis :)

Cássio Amaral disse...

bacana seu texto. que bom que temos um baú de lembranças. muitas são os que nos motivam pra frente.

beijo.

*izil* disse...

Você escrve sempre lindamente, com tanta sensibilidade que tenho inveja..
abraços,
izil

Anônimo disse...

que tenha sempre coisas novas,e que seu baú se encha de tanta alegria,e isso ai so guarde coisas boas,agradeça a deus por ser tão especial bjs